Conectar-se

Esqueci minha senha

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 15 em Sex Maio 07 2010, 23:38
Estatísticas
Temos 189 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de fdd

Os nossos membros postaram um total de 4073 mensagens em 683 assuntos
Os membros mais ativos do mês

Os membros mais ativos da semana


OPERAÇÃO PEDRA VERDE AIRSOFT

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

OPERAÇÃO PEDRA VERDE AIRSOFT

Mensagem  theavengers em Sex Set 05 2008, 11:19

A HISTÓRIA VERDADEIRA


Na manhã do dia 28 de Julho de 1961, travou-se uma das mais longas batalhas da da Guerra em Angola. A Operação, envolvendo um Pelotão Reforçado de Infantaria de Luanda, o Esquadrão de Cavalaria 149, a 4ª Companhia de Caçadores Especiais e o 3º Pelotão da Bateria de Artilharia 147, com armas ligeiras, pesadas e obuses, prolongou-se por mais de seis intermináveis horas. O palco ou o campo de batalha situava-se nas imediações da Pedra Verde, morro pedregoso, denominado Camucugonlo, com incidência na Picada da Catuta ou Senvo, Região dos Dembos, a Nordeste de Úcua, onde se acoitavam os guerrilheiros angolanos.
ANGOLA – ATAQUES À PEDRA VERDE
Demorou mais de hora e meia a caminhada em viaturas do Úcua até às proximidades do Piri. As tropas são apeadas e continuam a marcha durante mais duas horas, por entre ravinas e morros a norte de Quibaxe. A marcha rápida obriga as pulsações a purificar o sangue com mais vigor e o suor escorre pelas faces. Ainda se sente o cheiro das manhãs orvalhadas pelo cacimbo que as folhas seguram e nos servem para sorver as gotas que atenuam a sede. As pernas começam a tremer e ainda mal se avistam os morros da Pedra Verde. Uma neblina em dispersão encobre a zona que a tropa pretende tomar de assalto, para atirar os bandoleiros da UPA para bem longe, de modo a evitar os constantes ataques às colunas de reabastecimento que passam para o norte. Depois da primeira tomada da Pedra Verde, esta é a segunda vez que a tropa tenta apoderar-se daquele reduto e esconderijo de terroristas. Enquanto a aviação e a artilharia bombardeiam os morros, vamos comendo as rações transportadas nas mochilas, para assim ficar reduzido o peso para a subida da encosta. A água dos cantis, morna mas e desinfectada com o quinino para evitar o paludismo, vai sendo consumida gota a gota. Deitados no meio do capim e já na encosta a uns quinhentos metros dos morros, ouvimos os zumbidos das bombas dos PV2 e as explosões subterrâneas. Do outro lado, as tropas do Exército tentam a aproximação pelos escarpados das rochas, coordenando a acção via rádio. Uma hora depois de acabaram os bombardeamentos, o fumo das explosões das granadas vomitadas pelos obuses de artilharia encobre parte dos morros. E nós saboreamos as últimas bolachas da Manutenção, bebemos os derradeiros goles de água e avançamos na luta até que a Pedra Verde seja nossa! Os comandantes de pelotão dispõem o pessoal nas posições previamente combinadas na reunião de oficiais e sargentos. As bazucas vão na frente e os homens das granadas a acompanhá-los; é preciso determinar bem os pontos de tiro para tentar enfiar as granadas dentro dos túneis abertos nas rochas. O capim é cada vez mais curto, o que nos deixa expostos ao fogo inimigo. O primeiro grupo avança pelas escarpas do lado esquerdo, tentando passar para posições viradas a Quibaxe, enquanto o segundo pelotão segue em linha para tomar o lado direito, ficando o terceiro pelotão na cobertura de fogo.
Já nas posições da íngreme encosta, as bazucas começam a sua acção de limpeza dos túneis e, com granadas certeiras, os rebentamentos dão-se bem dentro das entranhas da terra. As armalites cantam o tra-ta-ta-ta e começam a mandar os inimigos para o inferno. Rompemos por meios dos arbustos chamuscados e o cheiro a pólvora intoxica, mas os ânimos não esmorecem. Os primeiros a atingir os pontos altos, numa acção combinada entre dois pelotões, lançam granadas ofensivas para dentro das cavernas e nas escarpas mais suspeitas de abrigarem inimigos. E dos turras não há resposta! Tudo num sossego sepulcral. Meia hora depois de iniciado o assalto, passam dois aviões T6 a baixa altitude, o que perturba a acção das nossas tropas. No longe da planície ouvem-se alguns tiros dos guerrilheiros que escaparam às bombas do ataque que a brutalidade da guerra obrigou a fazer e vão a caminho do norte. Em contacto rádio com os dois aviões, foram dadas as coordenadas para um possível bombardeamento aéreo contra os fugitivos. É importante que não escape nenhum, porque nesta zona e no itinerário para Quibaxe, há ataques semanais que causam baixas nas nossas tropas e destruição de viaturas militares e civis. Vasculharam-se todos os sítios onde pudessem estar guerrilheiros da UPA, mas apenas meia dúzia de armas ligeiras e um morteiro de 81mm foram encontrados… os corpos feitos em pedaços ficaram à míngua das hienas e dos mabecos. Para alguns, só interessaram as carapinhas!
Úcua, Abril de 1962

PEDRA VERDE AIRSOFT


Dada a especificidade desta Operação, a mesma vem em seguimento do "AGUENTAMOS", resulta a necessidade de confirmação de todas as equipes com uma semana de antecedência ao jogo.
As equipes convidadas têm dado provas de pontualidade que neste caso vai ser fundamental, daí a exigência do cumprimento dos horários. Incidentes durante o jogo não vai haver de forma que todos sabemos as regras e não vou maçar a repetir. A todas as equipes convidadas o meu obrigado e vamos fazer História no Airsoft, pois a verdadeira custou sangue e lágrimas a todos os que lá estiveram. Honremos a sua memória fazendo um jogo onde a HONRA seja o motivo do nosso desporto.
Eduardo (theavengers) Da Silva

Ponto de Encontro :
Data: 05 de Outubro de 2008
Campo : LEGIÃO
Local : Loures

HISTÓRIA


FORÇAS INDEPENDENTISTAS - 7 horas no campo. fardados e equipados.
Farda: Uma peça de roupa civil, ou calças ou camisa, NÃO permitido o uso de coletes tácticos. Armas o mais possível da época de preferência AKs (factor flexível).
Abundância de água.
UPA - Duas Companhias -
RPC - Uma Companhia - Legião

As Forças Independentistas têm por objectivo defender durante 3 horas o cume da colina (nomeadamente a bandeira da sua facção), contam para isso com 3 companhias, duas de guerrilheiros e uma de consultores militares do Congo, cada companhia é composta por uma equipe que será dirigida pelo seu próprio líder, com um médico próprio, que em caso de combate só pode utilizar pistola.
Na ultima hora de jogo é fundamental a fuga da colina (transportando a bandeira), objectivo que será conseguido quando os elementos Independentistas chegarem ao ponto de resgate onde deverão eliminar a AEO apropriando-se da bandeira por eles protegida.
Os médicos estão colocados no terreno dispondo de um Hospital de Campanha para as 3 Companhias. Cada médico morto só pode ser tratado no Hospital, por outro médico. O soldado morto pode ser conduzido ao médico por um camarada de armas ou esperar no local onde foi atingido pelo médico, enquanto este tiver fitas de tratamento. Após terminarem as fitas, os "defuntos" devem dirigir-se ao Hospital de Campanha onde serão tratados a cada 30 minutos.
Rádios: É permitida a cada equipe o uso de um rádio, isto significa 3 rádios por facção.
O canal determinado para a facção dos Independentistas é o 2 podendo ouvir ou ser ouvidos pela facção contrária. A seu tempo os lideres de equipe serão informados de como contornar esta situação.
Organização CANAL 1



FORÇAS COLONIAIS - 8 horas no campo, fardados e equipados.
Farda: Camuflado completo de acordo com a equipe, NÃO permitido o uso de coletes tácticos. Se possível o fardamento o mais aproximado da época. Armas, Ms , G3 ou FNs (factor flexível).
Abundância de água.
Pelotão Reforçado de Infantaria de Luanda - AEO
Esquadrão de Cavalaria 149 -
4ª Companhia de Caçadores Especiais -
3º Pelotão da Bateria de Artilharia 147 -

As Forças Coloniais (Pelotão Reforçado de Infantaria de Luanda, Esquadrão de Cavalaria 149, 4ª Companhia de Caçadores Especiais e 3º Pelotão da Bateria de Artilharia 147) têm por objectivo a conquista do monte, cada equipe representará uma das forças em presença, ficando reservado o Pelotão Reforçado de Infantaria de Luanda para a AEO.
Cada equipe escolherá o ponto de onde iniciará o ataque coordenando com os outros lideres a forma como o ataque deverá decorrer. O objectivo final é a conquista da bandeira inimiga, ao mesmo tempo, que evitar na ultima hora de jogo da fuga dos Independentistas.
Cada equipe terá o seu próprio líder e médico (Os médicos estão colocados no terreno dispondo de um Hospital de Campanha para as 3 Companhias. Cada médico morto só pode ser tratado no Hospital, por outro médico. O soldado morto pode ser conduzido ao médico por um camarada de armas ou esperar no local onde foi atingido pelo médico, enquanto este tiver fitas de tratamento. Após terminarem as fitas, os "defuntos" devem dirigir-se ao Hospital de Campanha onde serão tratados a cada 30 minutos), com excepção da AEO, que não terá nem médico nem hospital, devendo ser apoiada pelas outras equipes.
Rádios: É permitida a cada equipe o uso de um rádio, isto significa 3 rádios por facção.
O canal determinado para a facção dos Independentistas é o 3 podendo ouvir ou ser ouvidos pela facção contrária. A seu tempo os lideres de equipe serão informados de como contornar esta situação.
Organização CANAL 1

Confirmação de presenças:
http://airsofteo.top-talk.net/marcacao-f4/...oft-t58.htm#201


--------------------
Eduardo (theavengers) Da Silva
http://airsofteo.wordpress.com/
avatar
theavengers

Mensagens : 27
Data de inscrição : 01/08/2008
Idade : 57
Localização : Amadora

http://airsofteo.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Confirmações PEDRA VERDE AIRSOFT

Mensagem  theavengers em Sex Set 05 2008, 12:32

Dada a envergadura que o jogo ganhou agradeço a confirmação do numero de elementos presentes de cada equipe até dia 20 de Setembro, na mesma data serão dadas as indicações do ponto de encontro a cada equipa bem como da hora que será fatalmente certa de saída para o campo.
Eduardo (theavengers) Da Silva
Actualizações em :
http://airsofteo.top-talk.net/marcacao-f4/pedra-verde-no-airsoft-t58.htm
avatar
theavengers

Mensagens : 27
Data de inscrição : 01/08/2008
Idade : 57
Localização : Amadora

http://airsofteo.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: OPERAÇÃO PEDRA VERDE AIRSOFT

Mensagem  vinil em Sab Out 04 2008, 19:32

Boas

Combinei com o xl e dos RIP vou eu e o shox, ajudar o xl e a sua equipa a defender a bandeira.

asta
avatar
vinil
R.I.P.
R.I.P.

Mensagens : 233
Data de inscrição : 21/07/2008
Idade : 41

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: OPERAÇÃO PEDRA VERDE AIRSOFT

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum